23/09/2016

Estar APAIXONADO, GOSTAR ou AMAR?

Ah! Gostar é desejar passar um tempo juntos, curtir, beijar, abraçar, mas nunca se comprometer. Gostar é passageiro, pois depende do momento em que se está. Hoje você gosta sorvete, por exemplo, mas amanhã pode estar enjoado do sabor, da textura e mesmo de todos os sabores. Gostar é diversão, mais egoísta do que altruísta.

Estar apaixonado é incrível. Você se apaixona pelos olhos, pelo abraço, pelos lábios, pelas mãos, pelo tom de voz. É estar nas nuvens, contar os dias para estar juntos, e elevar à máxima potência os mínimos detalhes. Um simples olhar pode significar um eterno “eu te amo” e um toque aveludado nas mãos pode representar um presente inigualável. É bom demais estar apaixonado, com o coração velozmente acelerado, com os olhos esbugalhados de vontade de ver a pessoa amada. É querer a pessoa todo o tempo, ignorar qualquer defeito, fechar os olhos para qualquer erro, deixar passar qualquer desgosto. Quando se está apaixonado, nada mais importa do que o momento, o agora, o prazer, a intensidade, o calor do hoje.


Mas AMAR! Amar é outra coisa. É uma mistura heterogênea entre gostar e estar apaixonado. A diferença é que agora você não quer mais um momento de prazer, você quer a vida toda. Agora você não mais se enjoa, não quer mais trocar o sabor do sorvete. Amar é, ainda, ter o coração velozmente acelerado, mas agora de forma diferente. Agora você quer ver a pessoa crescendo, sorrindo, evoluindo. Você pensa mais no futuro do que no hoje. Você quer mais que beijos, abraços, sexo, sorrisos. Você quer uma vida, uma história, um compromisso, um viver juntos. Agora, você não teme mais os ventos, pois aprendeu que tem onde se proteger nos braços do seu amor. Você não teme mais a solidão, pois sabe que, se todo mundo se for, você ainda terá aqueles beijos, aqueles abraços, aquele colo, aquele sorriso e aquele incentivo que insiste em dizer: “Eu estou aqui”.

Amar é não mais ir. É não pensar na possibilidade de terminar, de romper, de enjoar quando os problemas vierem, quando as dificuldades chegarem. Amar é aceitar o mau humor, a falta de sorriso, a falta de abraço. Amar é libertar o outro para ser quem ele é de verdade, sem máscaras, sem mentiras, sem ressentimentos e, sobretudo, sem críticas.

Amar é perdoar todos os dias, é acreditar mais uma vez, é insistir, persistir, cuidar quando o outro menos merecer. Amar é se aliançar, é se comprometer, se envolver, se entregar, conhecer, sem jamais deixar de acreditar.


Amar é, acima de tudo, aceitar, relevar, acreditar, investir, sem nada esperar em troca.

Conheça mais em Anderson Cruz

Um comentário:

Antonio Jesus Batalha disse...

Estou alegre por encontrar blogs como o seu, ao ler algumas coisas,
reparei que tem aqui um bom blog, feito com carinho,
Posso dizer que gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns,
decerto que virei aqui mais vezes.
Sou António Batalha.
Que lhe deseja muitas felicidade e saúde em toda a sua casa.
PS.Se desejar visite O Peregrino E Servo, e se o desejar
siga, mas só se gostar, eu vou retribuir seguindo também o seu.
Peregrino E Servo.